Filtrar Notícias


RiceTec investe em pesquisa e desenvolvimento no Brasil

    A multinacional RiceTec, empresa líder em híbridos de sementes de arroz na América do Sul, confirmou um investimento de R$ 11.2 milhões. De acordo com o CEO global da empresa, Mike Gumina, o investimento contemplará a consolidação de suas operações brasileiras em seus centros de pesquisa e tecnologia em Santa Maria e Pelotas, visando melhor atender o mercado.

    Ainda conforme o executivo, a RiceTec projeta o lançamento de novos produtos no mercado brasileiro de arroz. "Conforme nosso comprometimento em auxiliar produtores de arroz no Brasil, nós estamos orgulhosos em lançar os híbridos FULLPAGETM , cuja tecnologia desenvolvida pela RiceTec estará nos campos a partir de 2020".

    "A RiceTec é uma das empresas privadas que mais investe na cultura do arroz no Brasil e isso não vai mudar. Vamos manter nosso comprometimento e dedicação com a cultura do arroz, alterando apenas nossa forma de acessar esses mercados, que passará a ser feita, preferencialmente através de distribuidores", destaca Gumina.

Tipo: #linhaverde Autor: Equipe SEEDnews Publicado em 08/11/2019

Cientistas dobram a produção de grãos de sorgo

Cientistas do laboratório de “Cold Spring Harbor” (CSHL) e do Serviço de Pesquisa Agrícola da USDA, descobriram um meio de dobrar a quantidade de grãos que uma planta de sorgo pode produzir.

Liderada pelo Dr. Doreen Ware, e colega Zhanguo Xin, a equipe de pesquisa identificou novas variações genéticas no gene “MSD2” do sorgo, aumentando o rendimento de grãos em 200%. O “MSD2” vem da linhagem genética que aumenta a fertilidade das flores, diminuindo a quantidade de ácido jasmônico, um hormônio que controla o desenvolvimento de sementes e flores.

"Quando esse hormônio diminui, você tem uma liberação de desenvolvimento que normalmente não ocorre", disse Nicholas Gladman, pós-doutorado no laboratório de Ware. "Isso permite a formação completa dos órgãos sexuais femininos nessas flores, o que permite aumentar a fertilidade"

“As principais culturas de cereais são muito próximas uma da outra evolutivamente. Muitos dos genes que eles compartilham têm funções semelhantes”, disse Yinping Jiao, associado de pós-doutorado no Ware Lab. "Esse gene que desempenha um papel importante no controle da produção de sorgo também pode nos ajudar a melhorar a produção de outras culturas, como milho ou arroz".


FONTE: Cold Spring Harbor Laboratory

Tipo: #focobiotecnologia Autor: Equipe SEEDnews Publicado em 08/11/2019

CropLife

    Foi criada recentemente no país, a CropLife Brasil, entidade já presente em vários países em que o agronegócio é expressivo, unindo as associações responsáveis por biotecnologias, defensivos agrícolas (químicos e biológicos) e germoplasma (sementes). A entidade fomentará a inovação na produção de alimentos assim como a inovação e uso das mais modernas tecnologias para a agricultura.

    A CropLife Brasil veio para ser uma voz forte e concentrada na comunicação e gestão de seus pleitos junto a sociedade organizada, já possuindo uma larga experiência global, citando como exemplo a união de esforços com a International Seed Federation (ISF) em assuntos relacionados com melhoramento vegetal. No Brasil, se estima que uma relação similar ocorra com a ABRASEM referente à BRASPOV (atuante em melhoramento vegetal).

    A presidência do conselho diretor da entidade é ocupada pelo executivo da empresa BASF, Eduardo Leduc, o qual possui larga experiência profissional na área. 

https://www.croplifela.org/pt/ 

Tipo: #linhaverde Publicado em 07/11/2019

Milliken inaugura laboratório de tecnologia e aplicação na América Latina

    A Miliken, empresa global com 150 anos de atuação em especialidades químicas, revestimentos e materiais de alto desempenho, inaugurou um dos seus laboratórios mais modernos no estado de São Paulo, destinado a testes de aplicação e performance para atender os mercados de aditivos plásticos, household, poliuretanos, coatings, fertilizantes e sementes.

    Segundo o gerente de vendas da Milliken para a América Latina, Marcos Chavez, o foco prioritário da unidade será o setor agrícola, “a missão da Milliken é desenvolver produtos que promovam o bem para pessoas e para o meio ambiente”, afirma o executivo.

    “Nossos produtos oferecem performance diferenciada para este mercado. O uso de polímero é muito importante para proteger o ecossistema (menor geração de pó que contém defensivo químico), permitindo que o tratamento resista ao transporte (resistência abrasão) e ainda mantenha a uniformidade do produto químico na semente. Consequentemente, ele garante sua proteção, além de agregar valor às sementes”, explica Marcos Chavez.

    Além da área para sementes e fertilizantes, o laboratório também possui espaço para testes de aplicação nos seguimentos: aditivos plásticos, household, coatings e poliuretanos. Porém, o setor de fertilizantes e sementes ocupa a maior área do laboratório, pois são feitas diversas análises e testes que exigem espaço e tempo para suas realizações, explica a mestre em química e gerente técnica da unidade, Rita Siloto.

    Algumas particularidades do Brasil pesaram na decisão da Milliken em instalar seu mais novo laboratório aqui. Entre eles estão a grande produção agrícola do país; ser o segundo produtor mundial de soja e milho; e as lavouras serem alvo de pragas muito diferentes das encontradas de outros países, o que traz um desafio adicional para o tratamento de sementes. “Por isso, começamos a analisar como poderíamos oferecer nossas soluções no Brasil e rapidamente percebemos que não é viável oferecer suporte laboratorial a partir dos EUA, onde a Milliken tem laboratório. Se nós quiséssemos atuar no setor agrícola, seria preciso formalizar um investimento no mercado brasileiro”, afirma Chavez.

Tipo: #linhaverde Autor: Equipe SEEDnews Publicado em 31/10/2019

Pesquisa demonstra como as plantas medem a absorção de CO2

    Uma equipe de cientistas de plantas identificou os sensores que as plantas utilizam como resposta a determinados estresses com auxílio das células-guarda. Liderada por Rainer Hedrich, biofísico de Julius-Maximilians-Universität (JMU) Würzburg, na Baviera, Alemanha, a equipe de pesquisa publicou os resultados de suas pesquisas em Nature Plants.

    Os estômatos das plantas são constituídos por poros e células-guarda. As células-guarda devem ser capazes de medir a fotossíntese e o suprimento de água para responder adequadamente às mudanças nas condições ambientais. Elas usam um receptor para medir a concentração de CO2 no interior da folha. Aumentos acentuados nos níveis de CO2 significam que a fotossíntese não está funcionando adequadamente. Os poros se fecham para evitar a evaporação desnecessária e reabrem quando a concentração de CO2 diminui. O suprimento de água, por outro lado, é medido através do hormônio ácido abscísico (ABA). Esse hormônio é produzido quando a água é escassa e as plantas definem seu ciclo de controle de CO2 para o modo de economia de água. Esse processo é possível através de células de proteção equipadas com receptores ABA. Quando a concentração hormonal na folha aumenta, os poros se fecham.

    “Concluímos a partir das descobertas que as células-guarda compensam o desempenho atual da fixação de carbono fotossintético com o status do balanço hídrico usando ABA como moeda”, explica Hedrich. Eles descobriram que, quando o suprimento de água é bom, os receptores ABA avaliam o equilíbrio hormonal básico como quase ‘livre de estresse’ e mantêm os estômatos abertos para o suprimento de CO2. Quando a água é escassa, os receptores de estresse por seca reconhecem o nível elevado de ABA e fazem com que as células-guarda fechem os estômatos para impedir que a planta seque.


Tipo: #focobiotecnologia Autor: Leticia Winke Dias / André Pich Brunes Publicado em 28/10/2019

Plantas geneticamente modificadas ocorrem naturalmente em larga escala

    Resultados publicados na revista ”Plant Molecular Biology” mostraram que a transferência horizontal de genes causada por Agrobacterium ocorre naturalmente em pelo menos 39 espécies de dicotiledôneas.

    Estes achados provam que as plantas transgênicas ocorrem na natureza em escala inesperadamente grande. A transferência de genes mediada por Agrobacterium causa a formação de galhas da coroa ou raízes peludas, devido à expressão dos genes do DNA de transferência (T-DNA). Quando as células transformadas se regeneram naturalmente, são desenvolvidos transformantes portadores do T-DNA celular (cT-DNA).

    No entanto, ainda não há evidências concretas para fazer generalizações sobre o papel das bactérias na evolução das plantas. Assim, pesquisadores da Universidade Estadual de São Petersburgo, na Rússia, e do “Institut de Biologie Moléculaire des Plantes”, na França, conduziram um estudo para pesquisar genes do tipo T-DNA nos genomas de monocotiledôneas e dicotiledôneas. Eles descobriram que os cT-DNAs foram encontrados em 23 dos 275 dicotiledôneas, incluindo os pertencentes aos gêneros Eutrema, Arachis, Nissolia, Quillaja, Euphorbia, Parasponia, Trema, Humulus, Psidium, Eugenia, Juglans, Azadirachta, Silene, Dianthus, Vaccinium, Camellia e Cuscuta.

    Dados de transcriptoma de 256 espécies de dicotiledôneas mostraram que mais 16 espécies são naturalmente transgênicas. Para as monocotiledôneas, também foram encontradas seqüências do tipo T-DNA em inhame e banana.

    Os transgênicos naturais identificados podem ajudar em pesquisas futuras sobre a função dos genes derivados de Agrobacterium na evolução das plantas.


Tipo: #focobiotecnologia Autor: Leticia Winke Dias / André Pich Brunes Publicado em 28/10/2019

Pesquisadores descobrem gene que influencia na produção de sementes com maior massa e lipídeos

    Uma equipe de pesquisa do John Innes Center, liderada pela geneticista Charlotte Miller, identificou um gene que controla o teor de óleo e o tamanho das sementes de canola. As conclusões do estudo podem melhorar a criação seletiva para ajudar os agricultores a produzir mais oleaginosas.

    A canola, desenvolvida no Canadá, é uma variedade da planta de colza, que está entre as culturas oleaginosas mais populares do mundo. Miller e colegas cultivaram cerca de 100 variedades de colza, cada uma das quais havia sido sequenciada anteriormente no nível do transcriptoma, revelando quais genes cada variedade expressa e em que níveis. E, dessa forma, mostrando uma enorme variação na atividade dos genes entre as variedades. 

    A equipe de Miller comparou diferenças na massa das sementes e descobriu que um gene, UPL3, era altamente ativo em plantas com sementes leves, sugerindo que a proteína da UPL3 poderia estar envolvida no desenvolvimento das sementes. Os pesquisadores então examinaram mutantes com UPL3 não-funcional no modelo de Arabidopsis e descobriram que suas sementes apresentavam 10% mais massa que as sementes de tipo selvagem. Para descobrir como a UPL3 influenciou a massa das sementes, os pesquisadores procuraram genes já conhecidos por estarem envolvidos no desenvolvimento das sementes. Eles descobriram três genes, todos regulados pela mesma proteína, LEC2, um fator de transcrição que aumenta sua expressão, levando a sementes maiores e mais oleosas.


Tipo: #focobiotecnologia Autor: Leticia Winke Dias / André Pich Brunes Publicado em 28/10/2019

Evolução

    O negócio de sementes é função de uma plataforma legal, que contempla, entre outros aspectos, a produção e o comércio de sementes e os direitos autorais de quem cria e desenvolve cultivares. Neste sentido, dezenas de cultivares (soja, milho, trigo, arroz, etc) são registradas e protegidas anualmente, volume que, com o passar dos anos, alcança significativas quantidades (centenas), como é o caso de soja no Brasil, que já ultrapassa um total de 1.000 cultivares, desde a criação da lei de proteção (LPC), em 1997. 

    Assim, considerando o grande número de cultivares, alguns materiais são difíceis de serem distinguidos por características fenotípicas, levando as autoridades, como na Argentina e Uruguai, para soja, a utilizar marcadores moleculares para registro e proteção, assim como para o comércio. Na Argentina, são utilizados 4.000 marcadores para registro e proteção, enquanto que para o comércio são menos de 60, assim como no Uruguai. Há um movimento para que o Brasil também utilize marcadores moleculares nas distintas situações do negócio de sementes.

Tipo: #focoemsementes Publicado em 28/10/2019

Acordos

    Estamos no Brasil, há vários anos, tentando aprovar uma nova lei de proteção de cultivares, principalmente devido à grande inserção do setor privado na criação e desenvolvimento de novas e melhores cultivares. Ocorre que o setor privado necessita ser ressarcido pelos seus investimentos, o que é viabilizado pela comercialização das sementes, realidade que muitas vezes não é reconhecida por quem as utiliza. Assim, a presente lei necessita ser modificada para regulamentar o uso de sementes envolvendo os produtores rurais de todo o território brasileiro, os quais são os principais interessados e beneficiados pela evolução do ramo em geral.

    A melhor maneira de se aprovar algo é por consenso, contemplando todos os elos da cadeia; assim, obter um acordo dentro de um elo da cadeia não é suficiente para se aprovar uma nova lei, pois no fim é necessário que deputados e senadores aprovem o documento. Para isto, os políticos sempre consultam suas bases, representadas pelos usuários das inovações tecnológicas criadas, desenvolvidas e produzidas por diferentes áreas do setor. Desta forma, é essencial que os fóruns para tratar destes assuntos contemplem de forma equilibrada os distintos elos da cadeia. Esta característica é universal em países que privilegiam o livre mercado.

Tipo: #focoemsementes Publicado em 28/10/2019

Reservas florestais

    O engenheiro agrônomo Valdir Colatto, diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, está em franca ação para desregulamentar a necessidade de manter um isolamento adicional de uma reserva florestal protegida, quando o agricultor utilizar sementes  de organismos geneticamente modificados (OGM). A ciência já demonstrou que os OGMs são tão seguros quanto aos convencionais. Toda inovação traz receios, entretanto está no homem, baseado em ciência, tomar os devidos procedimentos, inclusive com correções de rumo.  

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

Biológicos

    As plantas reagem muito bem a materiais biológicos, que podem ter ação de inseticida, nematicida, fungicida, fisiológicos, entre outros. Os benefícios são tais que a comunidade científica os considera como “Health Boosters “, ou seja, promotores de sanidade vegetal. Segundo pesquisas recentes, são milhares os organismos biológicos com potencial para uso na agricultura, o que justifica o número de empresas trabalhando com estes materiais. A agricultura agradece.

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

Chefia

    O Dr. Elcio Perpetuo Guimarães, reconhecido profissional, com atuação junto à FAO por vários anos, assim como no CIAT, acaba de assumir a chefia do EMBRAPA Arroz e Feijão. Além de sua capacidade profissional, Élcio possui características humanas tais que o CNPAF se beneficiará para aportar à sociedade produtos e serviços diferenciados. A SEEDnews já publicou vários artigos do renomado profissional, sendo o último sobre a cultura do feijão em 2019.

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

ARGENTINA

    A proposta da Argentina e de outros países pertencentes à Coalizão Global de Presença de Baixo Nível (Low Level Presence), liderada pelo Canadá, é de que a comunidade mundial adote as diretrizes específicas do CODEX sobre “LLP” e contemple a possibilidade de reconhecimento cruzado de produtos biotecnológicos que foram previamente avaliados por outros países.

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

Abrass

    A Associação dos Produtores de Sementes de Soja (ABRASS) formou parceria com as principais empresas de produtos para tratamento de sementes, no sentido de promover o TSI. Estima-se que 30% das sementes de soja utilizadas no país sejam com TSI, percentual que deveria ser superior a 50%, considerando todos os benefícios do sistema, como dosagem recomendada, cobertura da semente, segurança do operador e ambiental. Iniciativas desta natureza merecem reconhecimento da sociedade. 

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

Livro

    Acaba de sair do prelo a 4ª Edição do livro “SEMENTES: Fundamentos Científicos e Tecnológicos”, de autoria de Silmar Teichert Peske, Francisco Amaral Villela e Geri Eduardo Meneghello. A edição foi ampliada, atualizada e revisada, contemplando assuntos sobre produção, fisiologia, análise, patologia, beneficiamento, secagem, armazenamento, comercialização e biotecnologia. 

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

Cacau

    O Centro Internacional de Agricultura (CIAT), localizado em Cali (Colômbia), acaba de incorporar o Cacau como a quinta espécie com a qual desenvolverá fortes atividades de pesquisa, principalmente sobre aspectos agronômicos. Esta iniciativa merece reconhecimento pela importância da espécie, cuja origem é na região. E, afinal, poucas são as pessoas que não gostam de um chocolate, cujo principal ingrediente vem do Cacau. 

Tipo: #linhaverde Publicado em 28/10/2019

SEEDnews