Estatísticas, aproximações e verdades III

Edição XI | 04 - Jul . 2007

James Delouche - JCDelouche@aol.com

           A maioria dos países tem legislações que regulam a produção e/ou o comércio de sementes para proteger seus produtores. O produtor precisa de proteção contra má informação das sementes que eles compram para plantar para sua subsistência e, em muitos casos, o suprimento de alimentos essenciais para suas famílias depende de uma produção adequada. O bem-estar dos produtores e a economia rural são, é claro, interesses nacionais vitais.
           A legislação sobre sementes difere entre os  países, principalmente no grau de controle sobre a produção das sementes. Tanto  produção quanto comércio são  estritamente regulados em alguns países, enquanto em outros a regulamentação restringe-se à fase de comércio. A ação das regulamentações é concretizada através de inspeções no local de produção e no local de comercialização e de testes que determinam que as sementes apresentam os padrões de qualidade especificados.
               As inspeções e testes das sementes, entretanto, começam muito tempo antes das sementes entrarem no mercado. Estas são atividades cruciais no programa de garantia de qualidade do produtor de sementes para assegurar que os métodos usados para preparar as sementes para o mercado são apropriados, propriamente aplicados, e efetivos.
 
               Amostragem
            A amostragem é a etapa crítica na aplicação dos procedimentos estatísticos para determinar ou verificar a qualidade de um lote de sementes, normalmente composto por milhões de sementes. A amostra relativamente pequena, geralmente com um quilograma ou menos, feita para estabelecer a pureza física e varietal, germinação, e outros atributos da qualidade, deve representar as múltiplas toneladas do lote de sementes. Uma boa analogia é a amostra de vários milhares de pessoas feita por políticos para determinar a preferência política de um eleitorado de vários milhões de eleitores.
               A amostragem é a etapa-chave. Se a  amostra não for representativa, as determinações baseadas nela podem não ser melhores do que  suposições. Considerando a importância da amostra na  determinação da qualidade da semente, não é surpreendente que tenha recebido e ainda receba muita atenção. A Associação Americana de Analistas Oficiais de Semente (AOSA), por exemplo, publicou recentemente um Manual para Amostragem de Sementes que cobre completamente o assunto, desde o equipamento e procedimentos, registros, recomendações sobre o tamanho do lote de sementes, questões de segurança e de saúde para inspetores, às referências e aos recursos on-line. 



                  

                  Processo de amostragem


         Houve muito progresso na amostragem da semente, especialmente para fins de controle interno da qualidade durante operações preparatórias, tais como a secagem, o armazenamento a granel e beneficiamento. Os amostradores automáticos posicionados estrategicamente nos vários transportadores substituíram a maior parte das “conchas” de mão usadas para extrair porções do fluxo de sementes. Os amostradores a vácuo permitem uma amostragem muito melhor e muito, muito mais fácil das sementes em caixas.
           A amostragem não está  concluída com a retirada de amostras primárias e a combinação delas na amostra  composta. Em qualquer caso, a amostra composta contém muito mais  sementes do que as necessárias para as várias determinações da qualidade. A amostra composta, portanto, tem que ser dividida, para obter-se a amostra de trabalho, que tem cerca de 3.000 sementes para a análise de pureza e 10 vezes o mesmo número para exames especiais, tais como teste da presença de sementes de plantas daninhas. As 400 sementes são então retiradas das sementes puras para o teste de germinação, constituindo uma porção ainda mais precisa, mais infinitesimal do lote de sementes.
               Considere, por exemplo, que no caso de um lote de sementes de trigo com 10 toneladas, as 400 sementes testadas para germinação representem cerca de 200 milhões de sementes. Notavelmente, entretanto, quando o equipamento e procedimento adequados são usados para as amostragens, os resultados estatísticos são muito aceitáveis e aproximações repetitíveis dos valores “verdadeiros”.
 
               Não-uniformidade dos lotes de sementes
            O grande problema na  amostragem é a não uniformidade - ou heterogeneidade - das sementes do lote. Se o lote de sementes for uniforme em toda a sua  extensão para os fatores de  qualidade que aparecem no rótulo, como definido por muitas leis de sementes, uma única amostra primária do tamanho requerido para pureza e análises especiais seria suficiente para estabelecer ou verificar a qualidade. A maioria dos lotes de sementes, entretanto, não são tão uniformes, de modo que é preciso que se tirem amostras primárias ou subamostras de várias porções das sementes.
            Para inspeções oficiais, é tirada uma amostra primária de 10% do número de sacas no lote, ou o equivalente em sementes a granel, mas não mais que 30. Mesmo com estas múltiplas amostras primárias, frequentemente não é possível obter resultados válidos e repetitíveis de lotes de sementes muito desuniformes. Além disso, a uniformidade ou não-uniformidade de um lote de sementes frequentemente muda durante o processamento e o transporte das sementes, devido à mistura e à estratificação.
              As causas da não uniformidade dos lotes de sementes já foram constatados em: campos com produção não uniforme, mistura de diferentes lotes de sementes no armazenamento a granel, equipamento mal ajustado, beneficiamento inadequado, e assim por diante. O principal remédio para a não uniformidade é a mistura, mas não a mistura intra-lote, isto é, a mistura de um lote de sementes não uniforme para uma uniformidade aceitável pode ser difícil ou impraticável.
               O tamanho do lote geralmente tem que ser reduzido drasticamente para permitir o tipo de movimento e mistura necessários para atingir a uniformidade desejada. Por outro lado, a mistura inter-lote, isto é, a mistura de dois ou mais lotes uniformes de sementes para produzir um lote novo, é um procedimento muito mais simples e mais frequentemente usado. Lotes de misturas de sementes de grama e de pastagem de até seis espécies são rotineiramente produzidos através do cálculo cuidadoso das proporções necessárias, medida precisa das sementes dos diferentes lotes de sementes e algum tipo do equipamento de mistura em fluxo.
              Similarmente, dois ou mais lotes de  sementes podem ser misturados para “diluir” a  presença de sementes de plantas daninhas ou indesejáveis ou para salvar sementes de  baixa germinação, misturando-as com sementes de alta germinação.
 
                Jogos que os homens das sementes costumam jogar
            Lembro de vários casos onde houve uma tentativa de dispor rentavelmente de sacas de sementes de baixa qualidade através de sua mistura junto às sacas de um lote de sementes de alta qualidade. As proporções de sacas de sementes de baixa qualidade e das de alta qualidade e os valores da qualidade rotulados foram habilmente calculadas a fim de produzir uma alta probabilidade de que as amostras da inspeção primária do número desejado de sacas individuais, quando combinadas na amostra composta, produziriam valores de teste dentro da tolerância dos valores do rótulo.
            Chamamos este  procedimento de desvio de “mistura de sacas”, porque o inspetor que faz a amostragem das  sementes efetivamente “misturou” as sementes das  sacas de má qualidade com as de alta qualidade. Quando havia suspeita de “mistura de sacas”, fazíamos com que o inspetor tirasse e mantivesse a identidade das amostras das sacas individuais para determinar a variação na qualidade entre as sacas.
             Uma manipulação  frequentemente usada no caso de lotes de sementes que  continham sementes de plantas daninhas proibidas ou  restritas era partir de um tamanho de lote relativamente grande e, se fossem encontradas sementes de plantas daninhas, dividir o lote em dois ou mais novos lotes para reteste, com a esperança de que as sementes de plantas daninhas fossem encontrados em pelo menos um deles. Chamamos este procedimento de “divida e conquiste”. Felizmente, manipulações e fraudes de desvio desse tipo desapareceram com o profissionalismo da indústria de sementes, com a sofisticação dos produtores e, nos EUA, pelo menos, com a abundância de advogados.
 
                 Inspeções e amostragem envolvem muita estatística
            A  determinação de  importantes  atributos de qualidade das  sementes amostradas é obtida por um teste que também envolve estatística e mais do que algumas  aproximações e verdades. Isto será considerado na parte próxima e final deste longo artigo sobre Estatística, Aproximações e Verdades.

Compartilhar

newsletter

Receba nossas melhores
matérias em primeira mão!