Estatísticas, aproximações e verdades II

Edição XI | 03 - Mai . 2007

James Delouche - JCDelouche@aol.com

            A análise de sementes é uma ciência exata só quando uma única semente é considerada. Uma única semente pode ser exatamente caracterizada como semente pura ou como uma semente de outra variedade ou espécie. Sua capacidade de germinar sob um quadro ideal de condições pode ser estabelecida com precisão considerável. Pode-se determinar se ela está doente ou não, e se ela possui ou não um evento transgênico específico, e por aí adiante.
           As sementes, entretanto, são produzidas, processadas, embaladas, comercializadas, semeadas, analisadas e/ou testadas não como partículas individuais, mas sim como populações de partículas que têm de ser descritas e caracterizadas em termos que não são exatos, que são aproximações e às vezes são verdades aproximadas. Como apontado no artigo anterior, as sementes são diferentes de outros insumos agrícolas, tais como fertilizantes, pesticidas, equipamentos, os quais são manufaturados e receptivos a um controle muito mais rigoroso em termos de variabilidade.



               


           A composição de uma população de sementes, isto é, um lote de sementes, é afetada por forças edáficas, climáticas, e biológicas, e circunstâncias que variam entre locais e momentos. A maioria dos lotes de sementes, portanto, consiste de uma população principal de sementes com a hereditariedade desejada e capaz de germinar, isto é, as sementes germináveis puras, e populações menores ou subpopulações de sementes puras que não germinam, que estão doentes, que são muito menores ou maiores do que o tamanho médio das sementes, e assim por diante. E, populações adicionais menores de sementes de outras variedades e/ou espécies incluindo ervas daninhas e restos de outras sementes, plantas, e outros materiais do campo reunidos na colheita.
            Um dos principais objetivos do gerenciamento dos empreendimentos de produção de sementes é, ou deveria ser, aumentar a população de sementes germináveis puras nos lotes de sementes em nível prático e econômico mais alto por meio da prevenção, eliminação ou redução das populações menores de sementes indesejáveis e contaminantes. Uma vez que a matemática das populações é estatística, não é surpreendente que a garantia da qualidade e os procedimentos e protocolos de controle empregados na produção, colheita, processamento, armazenamento e comercialização das sementes para atingir esta prioridade principal do gerenciamento sejam baseados em princípios e conceitos estatísticos.
 
 
             Primeiros Passos Críticos para Redução da Variabilidade em Lotes de Sementes
           Os procedimentos de garantia da qualidade empregados para atingir o objetivo do mais alto nível prático e econômico da qualidade das sementes começam com a seleção das sementes e do campo para produção. As sementes devem ser uma classe cuidadosamente controlada e monitorada, tais como a categoria básica ou outra categoria limitada de sementes certificadas ou uma equivalente. Os locais de produção devem ser submetidos a inspeções de campo e lugar de modo que os campos mais limpos em termos de ervas daninhas, mais uniformes e mais férteis disponíveis, sejam selecionados.
              É criticamente importante saber a história do solo a ser usado para produção, uma vez que a produção de uma nova variedade de arroz, trigo, algodão e outras espécies, num solo que foi usado para produzir uma variedade diferente na safra anterior, geralmente resulta na contaminação com plantas voluntárias da cultura anterior.
             Enquanto o plantio de sementes de altíssima qualidade e a seleção do campo mais desejável para produção são primeiros passos enormes na garantia da qualidade e no controle da produção de sementes, é importante que os campos sejam bem inspecionados em vários estágios do crescimento e da maturação, acompanhando protocolos de inspeção de campo bem estabelecidos por inspetores internos (empresa) e externos (por exemplo, certificação).
           Os protocolos de inspeção estatisticamente baseados também devem incluir algumas instruções de senso comum. Ervas daninhas e plantas de outras variedades identificadas durante a inspeção devem ser arrancadas ou cortadas e cuidadosamente removidas do campo, especialmente se estão no estágio de maturidade ou próximo dele. Por exemplo: sementes de plantas de arroz vermelho podem contaminar outras áreas no campo por debulha, a menos que as panículas sejam “embaladas” antes de serem cortadas e removidas do campo; sementes de outras plantas arrancadas, mas deixadas no campo, podem ser colhidas pela colhedoura.
            A colheita é uma operação crítica na produção de sementes da alta qualidade. Porções do campo de produção que não sejam uniformes devido à seca ou drenagem ruim ou à presença de ervas daninhas devem ser marcadas e excluídas da colheita principal para prevenir ou minimizar a presença de sementes imaturas ou de ervas daninhas na população. A colheita deve ser feita em tempo adequado e cuidadosamente empreendida a fim de reduzir a quantia de sementes mecanicamente danificadas que não germinarão, produzirão plântula anormais ou tornar-se-ão material inerte.
              A limpeza e a inspeção do equipamento de colheita também são críticas por serem uma fonte frequente de contaminação com sementes de outras variedades, lavouras, e ervas daninhas. A aeração, secagem e transporte mal controladas em tempo impróprio e das sementes após a colheita podem aumentar  drasticamente a porção de sementes mortas e danificadas no lote de sementes.



                   

                   Vagens de soja com diferentes estágios de maturação


           Estes primeiros passos na redução da variabilidade das sementes colhidas e assim aumentando a população de sementes germináveis puras são muito importantes, e se seguidos conscientemente podem produzir resultados dramáticos. Havia um excêntrico produtor certificado de sementes de soja no Mississipi que muito se orgulhava do fato que suas sementes atingiam todos os padrões de certificação antes do beneficiamento. Embora ele processasse suas sementes para produzir um produto sementes “super limpas”, suas propagandas proeminentemente incluíam a afirmação: “Estas sementes atingem os padrões de certificação antes da limpeza”.
              Enquanto alguns poucos produtores de sementes excêntricos conseguiam produzir sementes que tecnicamente não precisavam ser limpas para ser certificadas, a grande maioria dos produtores de sementes não são tão excêntricos, conscientes, e cuidadosos. Eles dependem muito das operações de beneficiamento para aumentar a população principal de sementes germináveis puras no lote ao nível desejado através da redução ou remoção das sementes e materiais das populações menores.
 
               A Mágica do Beneficiamento das Sementes
              Os resultados obtidos a partir das operações de beneficiamento, às vezes, são quase mágicos. A colhedora é onívora. Ela pega tudo em seu caminho, desde partículas de solo até partes de insetos e, é claro, as sementes boas, outras sementes, folhas, caules e assim por diante. Esta mélange de materiais é transformada em sementes limpas e puras por meio da submissão seqüencial a uma série de separadores engenhosos como descrito no artigo Unidades de Processamento de Sementes na última edição da SEED News (Março/Abril). Enquanto as operações de processamento de sementes são frequentemente 100% eficientes, não obstante elas ainda são quase mágicas.
             O nível de sementes germináveis puras desejável e factível é quase  sempre alcançado por aproximações. Cada separador  remove os contaminantes da  população de acordo com sua  capacidade, de modo que as sementes germináveis puras no lote de sementes são  significativamente aumentadas a uma aproximação final, isto é, um resultado inexato porém adequado, que em geral é o nível econômico e prático mais alto.
              Pré-limpadores removem materiais leves e grandes por aspiração e peneira grossa. O separador básico de ar e peneira remove materiais mais leves, geralmente maiores ou menores, mais grossos e mais finos que a semente pura. Separadores dimensionais de precisão removem mais precisamente os materiais que são mais grossos ou finos e mais curtos e mais compridos do que a semente pura. O separador de densidade então remove os materiais que têm quase o mesmo tamanho que as sementes puras porém são mais leves ou mais pesados. Um separador espiral pode remover materiais que não são tão redondos ou são mais redondos que a semente pura, enquanto o separador por cor remove as sementes que diferem em cor, refletividade ou outras propriedades óticas. O exame dos materiais removidos do lote de sementes, isto é, os rejeitos, em cada separador realmente pode produzir um senso impressionante de mágica.
            Os resultados obtidos pelo processamento são apropriadamente caracterizados como aproximações por que o uso de separadores para alcançar a máxima separação possível geralmente resulta em perdas economicamente proibitivas de sementes boas. Não é prático nem econômico usar um separador de densidade para melhorar a germinação e o vigor das sementes ao mais alto nível possível quando a maior parte das sementes acaba indo para os rejeitos. Os separadores de sementes são mágicos, porém há algumas coisas que eles não conseguem fazer. Eles não conseguem efetiva e eficientemente separar sementes de diferentes variedades de trigo, soja, algodão, e muitas outras lavouras. Enquanto sementes de variedades de arroz de grão curto, médio e longo podem ser separadas, as sementes de variedades dentro de cada classe não podem ser separadas, incluindo aquelas de biótipos de arroz vermelho que caem dentro da classe.
             E, é claro, embora a germinação e o vigor das sementes puras possa ser aumentado dentro de limites, a máquina mágica para remover eficiente e consistentemente as sementes não germináveis e de baixo vigor dos lotes de sementes ainda não foi inventada.
 
             “Enquanto os procedimentos e protocolos de inspeção e monitoramento empregados no controle da produção, processamento e condicionamento de sementes aderirem a preceitos estatísticos, a estatística aplicada às sementes junto com muitas verdades aproximadas são muito mais proeminentes nos procedimentos analíticos usados para estabelecer e verificar a qualidade das sementes. Estes aspectos serão examinados no próximo artigo.”

Compartilhar

newsletter

Receba nossas melhores
matérias em primeira mão!