Esta seção da Revista SEEDnews está sendo coordenada pela equipe da área de sementes da Universidade Federal de Pelotas, objetivando esclarecer as inúmeras dúvidas pelos leitores. Mande sua dúvida para redacao@seednews.inf.br 
 
    Estou programando adotar a população de 70.000 plantas/ha para milho e gostaria que me auxiliassem a dimensionar o espaçamento entre as sementes de milho dentro da linha de semeadura. 
    Para uma população de 70.000 plantas/ha (por sinal, um grande avanço agronômico, pois possibilita um melhor arranjo espacial das plantas para a fotossíntese, a disponibilidade de água e nutrição), devemos considerar um espaçamento entre linhas de semeadura de 0,45m e, considerando uma germinação de 90%, o total de sementes a semear por hectare será de 78.000 (aproximando). Considerando que uma hectare tem 10.000 m² e o espaçamento entre linhas é de 0,45 m, teremos 22.200 metros lineares de semeadura e, como temos 78 000 sementes, o número de sementes por metro linear será de 3,06, o qque resulta em um espaçamento entre sementes de 32,6 cm. 
 
 
 
    A colheita das sementes de soja, na minha região, coincide com o período mais forte das chuvas. Pergunto se um lote de sementes que estava pronto para ser colhido, com 13% de umidade, e recebeu uma forte chuva, pode ainda ser aproveitado para semente. 
    As sementes de soja são fortemente afetadas por chuvas, quando já prontas para serem colhidas. Assim, há uma recomendação de que a colheita das sementes começe tão logo a umidade esteja com 18%, para aumentar as chances de se obter mais lotes de sementes de alta qualidade. Há algo mais: uma lavoura com sementes a 18% de umidade, recebendo uma chuva, será menos afetada do que uma com 13% de umidade. 
 



 
    Gostei muito da matéria da última SEEDnews sobre produção de sementes de milho híbrido, pois nos informa que a obtenção de sementes de milho híbrido de alta qualidade envolve realmente um processo sofisticado. Tenho a curiosidade de saber, na produção de um híbrido triplo, a razão de se utilizar como linha fêmea o híbrido simples, e como macho a linha pura. 
    A indústria de sementes de milho híbrido evoluiu bastante, para que o agricultor tenha sementes de alta qualidade dos híbridos melhorados. Em relação à sua dúvida, se utiliza como fêmea o híbrido simples, pois este produz muito mais por área, e, com isso, o preço da semente pode ser um pouco mais baixo. 
 
 
    Em sementes de soja, convivemos com os danos causados por percevejo, os mecânicos e os causados por umidade. Gostaria de saber qual o limite máximo para receber as sementes do campo somando as três causas de dano? 
    O dano mais importante é o da umidade, pois evidencia que houve deterioração de campo, entretanto os outros também são importantes, afetando diretamente a viabilidade das sementes. É recomendável que a soma dos três tipos de dano não ultrapasse a 10%. As sementes danificadas 
 
 
    Tenho lido em vários artigos que as sementes de brachiária são colhidas do chão e possuem alta qualidade. Gostaria que comentassem a respeito, pois isso me parece anormal. 
    Realmente, as sementes de Brachiária são colhidas do solo e possuem alta qualidade fisiológica. Ocorre que, nesta espécie, a maturação é muito desuniforme e, como a deiscência é alta, assim que amadurecem caem no solo, e quando a última camada de sementes amadurece e cai no solo, o campo está pronto para ser colhido. A qualidade é alta pordoismotivos: oprimeiroéqueamaturaçãocoincidecom períodos em que não chove, e o segundo é que as sementes quandocaemnosolo, estãodormentes, minimizandoassim o processo de deterioração. Caso as sementes não fossem colhidas do solo, o aproveitamento seria muito pequeno – menos de 40% do potencial produtivo. É bom esclarecer que a Brachiária humidicola, por ser estolonífera, é mais difícil de colher do solo. Assim, atualmente, para esta espécie a colheita das sementes é da planta.  

Compartilhar

newsletter

Receba nossas melhores
matérias em primeira mão!